HIPERTENSÃO ARTERIAL DE DIFÍCIL CONTROLE

HIPERTENSÃO ARTERIAL DE DIFÍCIL CONTROLE


A hipertensão de dificultoso controle, bem como chamada de hipertensão arterial resistente, é aquela que não consegue ser controlada mesmo com múltiplos remédios anti-hipertensivos. Pacientes que permanecem com a pressão arterial descontrolada de forma crônica apresentam elevado risco de doenças cardiovasculares. Nessa postagem vamos explicar as principais causas de pressão alta de penoso controle e quais são as estratégias que conseguem ser adotadas para reduzir a pressão arterial nesses pacientes.


dê uma espiada neste web-site

Pra saber mais a respeito da hipertensão arterial sistêmica, olhe o nosso arquivo de textos sobre isso: ARQUIVO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL. Normotensos: pessoas com pressões arteriais menores ou parelho a 120/80 mmHg. Pré-hipertensos: pessoas com pressões arteriais entre 121/81 - 139/oitenta e nove mmHg. Hipertensos grau I : pessoas com pressões arteriais entre 140/noventa - 159/noventa e nove mmHg. É a todo o momento ótimo comprovar que uma única medição não é bastante para se decidir o diagnóstico de pressão alta.


O paciente para ser hipertenso tem que expor níveis pressóricos periodicamente acima dos 139/89 mmHg. Em nosso texto geral sobre o assunto hipertensão (primeiro link da listagem acima) explicamos com mais dados o que é preciso para se combinar o diagnóstico de pressão alta. Nem toda hipertensão não controlada é sinônimo de hipertensão resistente. Ter necessidade de de dois ou 3 remédios diferentes para controlar a pressão nas artérias é qualquer coisa corriqueiro pela prática médica.


  1. 206 (208) | | |
  2. um folha de escarola
  3. 5 - Tonificação muscular
  4. três fatias de peito de peru light
  5. Ingerir meio litro de água trinta minutos antes de ingerir ajuda a perder peso
  6. Consumir à noite engorda
  7. dois - DROP SET nos Aparelhos (Up the Stack)

Definimos como hipertensão resistente somente aquelas que não podem ser controladas com pelo menos 3 medicamentos anti-hipertensivos diferentes (de preferência um deles sendo diurético). Quer dizer, todo paciente que precisa de 4 ou mais drogas diferentes pra fazer com que tua pressão nas artérias fique constantemente abaixo de 140/noventa mmHg é considerado como portador de hipertensão arterial de trabalhoso controle. Estima-se que cerca de quinze por cento dos pacientes hipertensos tenham critérios pra hipertensão arterial resistente. Cabe frisar que é necessário que o paciente esteja de fato tomando os anti-hipertensivos prescritos pra caracterizarmos uma pressão alta como de difícil controle.


leia aqui

Se o paciente voluntariamente toma os remédios de forma errado, indo de encontro ao que foi prescrito, a pressão conservar-se-á alta, não por causa de ela seja resistente, contudo sim já que não está sendo tratada acertadamente. Do mesmo modo, quando o tratamento oferecido pelo médico é insatisfatório, seja por doses insuficientes ou por alternativa equivocada das drogas, a pressão nas artérias pode manter-se descontrolada sem que ela seja realmente uma pressão alta resistente.


Tendo como exemplo, a não prescrição de uma diurético para estes pacientes é considerado uma falha da terapêutica (leia: DIURÉTICOS | Furosemida, Hidroclorotiazida, Indapamida…). Nestes casos, basta acertar o tratamento para que a pressão possa ser controlada com menos de quatro drogas diferentes. Alguns casos considerados como de custoso controle são na realidade pacientes com a chamada hipertensão arterial do jaleco branco (hipertensão da bata branca, em Portugal). São os pacientes que ficam tão angustiados durante a consulta médica, que tuas pressões arteriais, apesar de bem controladas em moradia, elevam-se no instante da aferição pelo médico, dando a falsa impressão de não estarem devidamente controladas.


Normalmente as hipertensões de difícil controle são aquelas com níveis pressóricos altos, classificadas como hipertensão arterial grau II. Dificilmente uma hipertensão arterial suave não consegue ser controlada com uma ou duas drogas diferentes. Várias características genéticas, muitos fatores ambientais e a presença de umas doenças conseguem dificultar controle da pressão arterial, favorecendo o aparecimento da hipertensão resistente. Tabagismo (leia: MALEFÍCIOS DO CIGARRO | Tratamento do tabagismo).


Obesidade (leia: OBESIDADE | SÍNDROME METABÓLICA). Consumo excessivo de sal. Consumo exagerado de alcaçuz. Consumo exagerado de álcool (leia: EFEITOS DO ÁLCOOL | Tratamento do alcoolismo). Consumo de cocaína (leia: COCAÍNA | CRACK | Efeitos e complicações). Acesse aqui outras conteúdo sobre esse assunto relacionado leia aqui .Diabetes mellitus (leia: DIABETES MELLITUS | Diagnóstico e sintomas). Insuficiência renal crônica (leia: INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA | Sintomas e tratamento). Hipertrofia ventricular esquerda (aumento do tamanho do ventrículo esquerdo do coração, uma complicação comum em quem tem hipertensão há bastante tempo). Além dos fatores descritos acima, o exercício de certos tipos de remédios também podes interferir na eficácia dos anti-hipertensivos, fazendo com que tenhamos que acrescentar suas doses e/ou aliar mais drogas ao esquema de tratamento. Anti-inflamatórios (leia: ANTI-INFLAMATÓRIOS | Ação e efeitos prejudiciais).


Aspirina em doses acima de 500 mg por dia (leia: ASPIRINA | AAS | Indicações e efeitos colaterais). Analgésicos derivados da morfina. Corticoides (leia: PREDNISONA E CORTICOIDES | Indicações e efeitos colaterais). Remédios à apoio de Ephedra ou Ma huang, muito usados em tratamentos ditos naturais pra emagrecer (obs: a maioria dos remédios para emagrecer, naturais ou não, contém substâncias que interferem na pressão nas artérias).


A imensa maioria dos casos de hipertensão arterial é primária, isto é, surge sem que exista uma causa determinada. Isso significa que o paciente é hipertenso visto que é hipertenso, não havendo nenhum pretexto identificável para o aparecimento da doença. Toda pressão alta sem circunstância aparente é chamada de pressão alta essencial, sendo esta responsável pelo mais de noventa por cento dos casos. Mas, numa minoria dos pacientes, a hipertensão pode aparecer devido a uma doença oculta, sendo denominada sendo assim de pressão alta secundária.


Se a hipertensão arterial secundária é incomum dentre a população com pressão alta, quando separamos somente aqueles com pressão alta de difícil controle, ela se torna uma circunstância relativamente comum. Insuficiência renal crônica (a IRC poderá causar hipertensão arterial no entanto também pode ser uma resultância da mesma). Hiperaldosteronismo (geralmente causado por um tumor benigno da glândula supra-renal que produz aldosterona em excedente, hormônio que regula a absorção de sal nos rins). Estenose da artéria renal (redução do calibre da artéria que irriga o rim).




Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *